Ar-condicionado produz até 20 litros de água por dia; veja como aproveitar

23 de março de 2015


Do NE10

36da8da31c1bc5b5ce488c82dd69c5ef

Você sabia que pode estar desperdiçando até 20 litros de água limpa por dia? Se você é proprietário de um ar-condicionado, a água condensada pelo seu aparelho pode ser usada para lavar a casa, nas descargas dos banheiros, regar as plantas, entre outras atividades domésticas. Em tempo de racionamento e de crise hídrica, milhões de litros de água produzidos não só por aparelhos domésticos, como também por centrais de climatização de repartições públicas e centros comercias são jogados fora todos os dias, despejados diretamente nas galerias pluviais ou no esgoto.

Após descobrir que uma infiltração na parede era causada pelas gotas de água que vazavam do ar-condicionado, a recepcionista Márcia Muniz do Nascimento, 32 anos, que mora no bairro do Pina, Zona Sul do Recife, decidiu captar o líquido através de uma mangueira ligada a um garrafão vazio de 20 litros. Já na primeira noite ela teve uma surpresa. O recipiente amanheceu quase cheio. “Percebi que a água era limpa e por isso passei a utilizá-la para lavar o chão da casa e aguar as plantas. Fiz o mesmo com o aparelho do quarto dos meus filhos. Hoje recolho até 40 litros por dia dos dois equipamentos”, conta Márcia Muniz. No fim do mês, ela consegue recolher cerca de 1.000 litros.

Já o microempresário Walter Hagem, 31, proprietário de uma academia de ginástica em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, também aproveita a água de dois aparelhos do seu estabelecimento. Um tem 30 mil BTU (British Thermal Units – Unidade Térmica Britânica) e outro 36 mil. Juntos, fornecem cerca de 70 litros por dia, ou seja, 2.100 litros por mês que ele utiliza para lavar os banheiros da academia, regar as plantas, lavar a sua moto e, ainda, consegue doar a água para os seus vizinhos. “Não tinha noção da quantidade de água que desperdiçava”, afirma.

De acordo com o professor do curso técnico de refrigeração do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), Luciano Prestrelo, apesar de não ser indicada para o consumo humano (beber ou tomar banho) porque não é filtrada e não recebe tratamento antibactericida, a água é considerada limpa e pode ser reutilizada para práticas sustentáveis, além de trazer economia financeira. “O sistema doméstico é feito de forma simples e com baixo custo, já que os materiais usados são canos e reservatórios de plásticos”, explica. Segundo o professor, a água é produzida porque os aparelhos retiram a umidade do ar através do processo de condensação, quando a água passa do estado gasoso para o líquido.

A quantidade liberada pelos condensadores varia de acordo com a potência do aparelho, o tempo de funcionamento e o clima da região. Em climas mais úmidos, os ares-condicionados condensam uma maior quantidade de água. “O aparelho trabalha para controlar a umidade relativa do ar, deixando o clima mais agradável. Como vivemos em uma região litorânea, próxima do oceano, o índice de umidade varia no Grande Recife entre 75% e 85%. O aparelho ‘retira essa umidade’, reduzindo esse índice para 55%, percentual considerado mais confortável”, explica Luciano Prestrelo, acrescentando que em Brasília, por exemplo, onde o clima é muito seco, praticamente não existe condensação.

Márcia Muniz usa a água nas plantas e para lavar a casaMárcia Muniz usa a água nas plantas e para lavar a casaFoto: cortesia

De acordo com o professor, no Grande Recife, um aparelho de 12 mil BTU produz, em média, um litro de água por hora. Em um prédio com 100 apartamentos, por exemplo, se cada residência tiver apenas um aparelho de ar doméstico, pode recolher 2.400 litros de água por dia. “O reservatório pode ser usado não só para lavar as áreas comuns, mas para as descargas dos banheiros, que consomem muita água. Nesse caso, seria necessária a instalação de um sistema para bombear a água”, disse o professor. Em relação ao uso da água para regar as plantas, se o solo for pobre em nutrientes e não receber adubo, não é aconselhável, já que a água é destilada e por isso não possui sais minerais.

» Escola no Paraná reduziu conta de água em 17%

Canos de PVC ligados aos aparelhos recolhem a águaCanos de PVC ligados aos aparelhos recolhem a águaFoto: cortesia

Durante um trabalho em sala de aula sobre soluções ambientais sustentáveis no Colégio Sapiens, no município de Umuarama, interior do Paraná, a 580 km da capital Curitiba, professores e alunos decidiram reaproveitar a água dos 15 aparelhos do tipo split. O custo da instalação do sistema de coleta foi baixo e o gasto com a compra do material foi de R$ 200. Desde 2011, quando a ideia foi executada, a escola conseguiu reduzir a conta de água em 17%.

“A água coletada é armazenada em um recipiente fechado, onde foi instalada uma torneira para facilitar o seu esvaziamento. Usamos a água para regar o jardim, lavar os panos de limpeza do colégio, o interior e a calçada da escola”, explica a diretora da instituição Célia Lira. Todos os dias, das 7h às 12h, quando os 15 ares-condicionados estão ligados, a escola recolhe cerca de 90 litros de água, com exceção do período de inverno (entre os meses de abril e agosto) porque os aparelhos ficam mais tempo desligados. “Mas sempre temos água, até porque não consumimos tudo em um único dia”, explica Célia. O Colégio Sapiens possui 400 alunos entre o ensino médio e pré-vestibular.

Vale ressaltar que se a escola funcionasse no Recife, a quantidade de água coletada seria bem maior, já que o índice de umidade relativa do ar na capital pernambucana é mais elevado do que no interior do Paraná. De acordo com o o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a média anual de umidade no Grande Recife é de 80%, com máxima de 86%. Na região onde fica a cidade de Umuarama, a média é de 72%, com máxima de 76%.

» RioMar economiza 30 milhões de litros de água por ano com a captação das centrais de climatização


Foto: JC Imagem

Trinta milhões de litros de água por ano. Essa é a quantidade de água captada do sistema de climatização do RioMar, no Pina, único shopping do Estado que reutiliza a água em suas torres de resfriamento. Diferentemente dos equipamentos domésticos, as centrais de climatização de grandes empreendimentos possuem torres de troca de calor que necessitam de água para o seu resfriamento. A água recolhida nos condensadores, cerca de seis mil litros por hora, representa 25% do total utilizado para resfriar as torres. O restante é complementado com a água captada das chuvas.

Ao entrar na torre de resfriamento para a troca de calor, a água volta ao estado gasoso, sendo assim devolvida para a atmosfera.  “Desde a construção, o RioMar foi pensado para funcionar com o mínimo de impacto ambiental, racionalizando os recursos naturais e buscando alternativas sustentáveis”, afirma o gerente de Desenvolvimento Socioambiental, Sérgio Maffiolete.

Segundo Maffiolete, além da importância ambiental do projeto, o sistema gera economia para o shopping. O retorno financeiro do investimento de captação da água das centrais de climatização será compensado em três anos. O centro de compras foi inaugurado em outubro de 2012.

 

COMENTÁRIOS

Facebook

Receba Novidades