Aumentam diagnósticos de Leishmaniose em Araripina

25 de maio de 2015


 

calazar

Aumentou o número de diagnósticos de Leishmaniose Visceral, conhecida popularmente por “calazar”, em Araripina, no Sertão de Pernambuco. A doença, que é mais comum em animais, mas é transmissível ao homem, foi identificada em cinco cachorros em 2014 e em 20 cães nos primeiros meses de 2015. A Leishmaniose é causada por um protozoário que é transmitido por um mosquito.
Segundo o coordenador de Vigilância Sanitária e Epidemiológica de Araripina, André Batista, o aumento nos casos se deve à intensificação nos diagnósticos. “Como na região do Araripe não tem centros de zoonoses, os diagnósticos são feitos pela rede privada, então o número pode ser maior. Estamos conversando com as clínicas para que essas informações sejam repassadas”, afirmou.
Ainda de acordo com André, no ano passado, uma criança morreu por consequência da doença e os cuidados aumentaram para prevenir casos como esse e identificar de forma precoce. “Este ano, por exemplo, uma criança foi diagnosticada logo no início, foi tratada e agora está bem”, explicou.
Segundo o coordenador, existem sintomas que podem indicar a Leishmaniose Visceral nos animais. “O animal perde o apetite e, consequentemente, o peso. Aparecem feridas nas articulações, no focinho, orelhas e cauda, os pelos caem e as unhas crescem. Podem acontecer também vômitos e sangramentos”, contou.
Já nos seres humanos os sintomas são febre moderada de longa duração, anemia, perda de apetite, emagrecimento e aumento do fígado e baço. Batista explica ainda que diferente do que algumas pessoas pensam, a doença não é transmitida com o contato com animais doentes e, sim, pela picada do mosquito.
As formas de prevenção são a vacinação de cães e gatos e a higienização das casas. “O lixo e esgoto costumam atrair mosquitos, por isso a limpeza é importante. O contágio em humanos geralmente acontece em locais onde a situação sanitária é precária. Já a vacina não é disponibilizada pelo Ministério da Saúde, então só acontece na rede privada”, disse. A outra forma de evitar a transmissão é sacrificando os animais doentes. “Infelizmente não há no Brasil tratamento para os cães ou gatos infectados, então as clínicas optam pela eutanásia”, acrescentou.
G1 Petrolina

COMENTÁRIOS

Facebook

Receba Novidades