Operação Paradise: PF e CGU apontam obras com suspeita de desvio de verbas do Ministério da Educação em Araripina

12 de maio de 2015


Agentes da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União estão ouvindo na sede da Polícia Federal, em Salgueiro, novos depoentes envolvidos na Operação Paradise que deflagrou uma quadrilha dentro da Prefeitura de Araripina. A investigação recai sobre 18 obras construídas com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE e o montante investigado chega à R$ 8 milhões.

Além dos 14 detidos na última quinta-feira, entre ontem e hoje mais 12 agentes públicos foram levados à sede da PF para serem interrogados. Desta vez quem está passando informações são os membros das comissões de licitação da Prefeitura de Araripina. A investigação apontou uma série de irregularidades durante o processo licitatório destas obras e o depoimento dos integrantes das comissões tem reforçado as suspeitas.
Ontem o juiz de direito da primeira comarca de Araripina, Demetrius Liberato, arbitrou fiança no valor de dez salários mínimos, algo em torno de sete mil e oitocentos reais, e colocou em liberdade provisória um dos irmãos do prefeito de Araripina que além dos crimes investigados na Operação Paradise também acusado de posse ilegal de arma de fogo de uso restrito. Foi encontrada uma espingarda calibre 12 cano duplo e 03 cartuchos de calibre 12 intactos e um animal em cativeiro da fauna silvestre.

A Operação Paradise investiga a aplicação de R$ 8 milhões em recursos do Ministério da Educação que deveriam ser investidos em 18 obras financiadas com estes recursos. As obras investigadas são:

Creche do distritro de Lagoa do Barro
Quadra poliesportiva da escola Luzanira Ramos
Creche Mãe Corina no distrito de Vila Serrania
Escola Felipe Coelho no sítio Marinheiro
Escola da Serra da Torre
Escola da Serra do Ipa
Escola Honorato Jordão na Ponta da Serra
Escola Vanda Jacó no sítio Cipaúba
Escola Antonio Lavinho em Rancharia
Escola do Batinga em Morais
Creche do distrito de Nascente
Creche do distrito de Gergelim
Escola Manoel Lopes no Sítio Alho
Escola Dr Francisco Alencar no loteamento Raimundo Felix
Escola Martins José na Serra do Cavaco e
Escola José Clementino na Serra do Morais.

A Polícia Federal e a Controladoria Geral da União conseguiram até o momento colher informações que apontam o desvio de 300 mil reais em todas estas obras. As obras da Creche Mae Corina na Vila Serrania e Escola Manoel Lopes no sítio Alho foram as que a Operação Paradise encontrou mais desvios de recursos públicos.

Sistema de Comunicação Grande Serra

COMENTÁRIOS

Facebook

Receba Novidades