Paciente candidato a 1º transplante de cabeça diz estar confiante

22 de setembro de 2015


Russo sofre de atrofia muscular espinhal chamada Werdnig-Hoffmann.
Neurocirurgião quer fazer cirurgia em 2 anos; outros cientistas contestam.

Da EFE

Capture

Valery Spiridonov, que tem uma doença degenerativa, se candidatou para ser o primeiro paciente a se submeter a um procedimento de transplante de cabeça (Foto: Reprodução/TV Globo)

O russo Valery Spiridonov, o primeiro homem que se candidatou a ter a cabeça transplantada para um novo corpo, afirmou à Agência EFE que não tem pressa para entrar na sala de cirurgia, embora acredite que tudo estará pronto para a operação até dezembro de 2017, conforme anunciou o neurocirurgião italiano Sergio Canavero.

“Lido com este tema com bastante tranquilidade, à espera que a data seja confirmada. Não me importa onde ou quando, não tenho pressa. O que me importa é a confiabilidade do procedimento”, declarou o voluntário, de 30 anos.

Spiridonov sofre de uma atrofia muscular espinhal chamada síndrome de Werdnig-Hoffmann, uma grave doença genética degenerativa que o impede de movimentar todos os membros, salvo as mãos e a cabeça.

O controverso neurocirurgião Canavero, duramente criticado pelos colegas de profissão, garante que desenvolveu uma técnica que permitiria unir a cabeça do paciente a outro corpo saudável, doado por um indivíduo que teve morte cerebral.

Canavero anunciou no início de setembro que a cirurgia será realizada no fim de 2017 na Universidade Médica de Harbin, na China.

“Acreditamos que teremos tudo pronto até lá”, confirmou Spiridonov, programador e artista gráfico que vive na cidade de Vladimir, a 170 quilômetros de Moscou, e que já deixou claro ao mundo que sua determinação para se submeter à arriscada operação é inalterável.

O voluntário lembrou que “a doença é degenerativa e, no final, mortal” porque “degenera os músculos, e o coração, afinal de contas, também é um músculo”.

Autorização pendente
“A China quer tomar a iniciativa e está disposta a se arriscar para obter uma vitória no meio científico. A permissão das autoridades para realizar a operação é um assunto que, apesar de não estar resolvido, estará em breve”, comentou o russo sobre o lugar onde deve ser feito o procedimento.

Canavero ganhou nos últimos meses a parceria do médico chinês Ren Xiaoping, que, segundo Spiridonov, realizou experimentos com ratos que provariam a eficácia da técnica desenvolvida pelo colega italiano.

“Há resultados nos experimentos com os ratos. Inclusive há vídeos nos quais é possível comprovar que os ratos sobrevivem um tempo depois da operação”, afirmou Spiridonov, que postou alguns desses vídeos nas redes sociais.

De acordo com o voluntário, “a pesquisa é focada em prolongar a vida desses ratos, sua qualidade de vida e o processo de regeneração” depois da operação.

Canevero diz que usará uma substância chamada polietilenoglicol, capaz de conectar a cabeça com as fibras nervosas da medula espinhal, de modo que o cérebro possa transmitir ordens ao corpo e colocar seus órgãos e extremidades em movimento.

Neurocirurgião é alvo de críticas
Seus críticos lembram que, em 1970, um cirurgião americano já conseguiu unir a cabeça de um chimpanzé ao corpo de outro, mas não pôde conectar o cérebro com o espinha dorsal e o animal morreu após nove dias.

Valery, no entanto, tem confiança no médico que promete um avanço científico revolucionário, praticamente um milagre, e diz que estudou profundamente as pesquisas de Canavero para ter segurança.

O italiano explicou à EFE que a operação, com um custo ligeiramente superior a US$ 10 milhões, durará por volta de 36 horas e necessitará da presença de 150 médicos de apoio.

“Na sala deverão estar as duas pessoas, a que doará o corpo e a que receberá o corpo. A cabeça que será transplantada será resfriada a uma temperatura de 12 graus, depois se procederá a retirada da cabeça de ambos – vasos sanguíneos, músculos, ossos. Após isso, começará a fase em que o paciente receberá seu novo corpo”, explicou.

COMENTÁRIOS

Facebook

Receba Novidades